6 de agosto de 2011

Barganhando...

Eu sempre observo muito o comportamento de outras mães com seus filhos, e dos filhos com as mães, e acho muito interessante que o que é intolerável pra mim outras mães fazem, não sei se é porque eu acho absurdo ou se é pela educação que recebi dos meus pais, mas certas coisas me fervem o sangue quando vejo.

Pq eu to falando isso?

Pq eu vejo muitos pais barganhando com seus filhos coisas simples, que ao meu ver não devem ser barganhadas, e muitos comportamentos que eu recrimino por deixarem a criança assustada.

Tô eu no postinho de saúde pra dar a vacina do mês na Yasmin (pq eu não pago vacina particular) quando um menininho muito do atentado fica correndo de um lado pro outro, a mãe falou uma, duas, três vezes pra ele se aquietar, e é óbívio que ele não parou, quando a mulher me solta a pérola:

- Se você não parar eu vou falar pra enfermeira te dar uma injeção desse tamanho (e abriu os braços em mais ou menos meio metro, meio metro de injeção minha gente...)!
O garotinho murchou assustado e ficou quieto.
Fiquei pensando com meus botões e achei aquilo tão errado, e sei que aquela mãe não é a única, aliás, não é à toa que tanta criança tem medo de enfermeiro ou qualquer pessoa de branco, olha as coisas que os pais falam.

A criança tem que ficar quieta pq ela reconhece a sua autoridade como pai e mãe, e saber que aquele lugar não é adequado pra ficar pulando e fazendo estripulias, mas pra isso é necessária dedicação, tempo e paciência, é mais fácil o enfermeiro aplicar a injeção do que os pais educarem corretamente os filhos. Mas cada um no seu quadrado.

E o assunto é barganha e não métodos pra aterrorizar crianças.

Minutos depois eu vi uma mãe falando pra filha que se ela não fizesse escândalo e fosse boazinha pra tomar a gotinha, ela ganharia o chocolate da padaria.
Tá, a menina não fez o escândalo que a mãe temia, mas eu acho errado.

Tudo que é feito pelo bem da criança não deve ser barganhado "se você fizer isso te dou aquilo".

Vacina é pro bem da criança, e mesmo que ela não entenda isso vai continuar sendo pro bem dela, e o bem dela é inegociável, não tem que ter barganha.

Não, eu não sou frustrada, mas minha mãe sempre nos ensinou que a gotinha era pro nosso bem, que com ela não ficaríamos doente, ela nunca negociou isso, ia tomar e pronto.
Se fizesse escândalo ela conversaria seriamente comigo sobre aquilo, não iria bater nem nada disso, mas nunca barganhou.

O que acontecia era o tio do algodão doce estar na porta do posto de saúde e eu ganhar algodão doce depois, mas nunca pela troca, era apenas um algodão doce e não um prêmio por ter me comportado bem.

Vejo em alguns sites a dica “corte as unhas de seu bebê dormindo”.
Como assim? E quando ele crescer ?

Tudo que eu tenho que fazer com a Yasmin é com ela acordada, com ela consciente do que está acontecendo com ela, a base de muita conversa, e cortar a unha é uma dessas coisas.
No começo era uma guerra, ela não deixava, mas hoje em dia se comporta super bem, deixa a mãozinha quieta, e tenho certeza que é porque eu sempre conversei com ela sobre isso.

Posso estar parecendo radical, mas sou contra isso, ela é uma pessoa, e deve saber tudo que está acontecendo com seu corpo, sou totalmente contra fazer qualquer coisa enquanto a criança dorme (exceto a mamada dos sonhos que é ouuuuuutra coisa).

Sim, é muito mais fácil cortar a unha do bebê com ele dormindo, tá ali, quietinho, mas uma hora ele vai crescer, e como vai ser quando ele for maior?

No início a Yasmin não gostava, tirava a mãozinha , gritava, mas sempre me neguei a fazer isso enquanto ela dormia, e hoje ela fica com a mãozinha quietinha me olhando enquanto aparo as unhas dela.

Não é fácil, mas acredito ser o correto, sem barganha, com a criança consciente de tudo que acontece, e a educando desde pequena pra esses momentos.

Hoje, quando vejo uma criança fazendo birra no supermercado e batendo na cara da mãe o sangue me ferve, mas eu tenho comigo que aquilo não é culpa da criança, é culpa dos pais que não tem pulso firme pra dizer energicamente não.

E eu não me em ser enérgico dizendo que vai bater depois, mas ser enérgico em fazera criança respeitr o que os pais falam.

Acho que divaguei demais sobre um assunto onde cada pai sabe bem o que faz com seu filho, mas eu acredito piamente, que se o mundo está de bruços hoje em dia é porque muitos pais preferem pegar atalhos na educação dos filhos à ter o trabalho de ensinar e não barganhar.

E assim eu sigo educando minha filha como acho certo, e vendo que mesmo aos cinco meses ela entende as coisas e vendo que o trabalho que tive por alguns meses em conversar, explicar, dar beijinho e carinho nos dedinhos ao cortar as unhas, hoje surte resultado em uma criança calma e confiante em mim, que deixa sua mãozinha à minha mercê e que não tem medo de ser machucada.

E você, como faz com seu filho?

Bom fim de semana pra vocês

Beijos

5 comentários:

  1. concordo em genero, numero e grau!! Desde agora, qdo o Uri mexe em alguma coisa q nao pode, eu falo "Não, Uri, não pode". E tiro a mãozinha dele e distraio com outra coisa. Nas primeiras vezes ele me ignorou total, mas eu repetia e tirava a mçao dele. Hoje eu reparei q ele pegou no mouse do pc, eu falei q não, ele ficou me olhando, parado. Ou seja, ele já sabe q alguma coisa tem. E assim ele vai aprendendo, sem stress. Mas quem sabe o q é certo, o q é seguro e o q pode por eqto sou eu, né?

    Tem coisas q não são negociáveis MESMO, não por maldade nem por abuso de poder não... é pq é nosso papel guiá-los.

    Beijos nas 2!

    ResponderExcluir
  2. Pessoal, vamos nos manisfestar. Uma blogueira muito cabeça aberta, hétero, com filhos, escreveu um post sobre casamento gay e educação dos filhos. Lá nos cometários, um monte de anônimos acabaram com um casal lésbico que se manifestou. O título do post é "Casa Sim, Ciça".k abaixo e vamos colocar nossa opinião sobre casamento gay:
    Vão lá no link
    http://fotocecilia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Oi Julia, amei seu blog!
    É bom saber que existem mais pessoas com a gente, que acha que tem coisas que nem se deve discutir com crianças, muito menos barganhar, também fico passada quando crianças tem chilique ou ficam correndo por lugares inadequados e os pais ficam com cara de pastel do lado, dizendo para sí mesmo e para os outros o quanto o rebento é peralta, que é mais fácil de assumir que a criança é mal educada mesmo!
    Acho que esse mundo ainda tem concerto Amiga, (posso considera-la assim?)
    Já estou seguindo o seu blog,
    Beijos para vc e para a sua linda filhotinha.
    Eli

    ResponderExcluir
  4. Oi Ju. Minha mãe também me criou sem barganhas, é bom isso. Espero conseguir criar o Davi assim, pq se a gente diz que se ele fizer tal coisa ganha aquela coisa que ele tanto quer uma só vez, sempre vai ter que ser assim, e temos que ensiná-los desde pequeninos. Só tenho problema com as unhas do Davi, NUNCA consegui cortar com ele acordado, nem conversando nem distraindo, ele é muito espoleta e não pára quieto, acabo cortando quando ele dorme depois da mamada, rsrs.
    Beijão pra ti e pra Mimi.

    ResponderExcluir
  5. Caraca!!!! Mais uma vez vc arrasou!!! Concordo plenamente com vc e eu tb corto as unhas do Noah qdo ele tá acordado. É claro que não é fácil, mas é necessário. E acho que conversando e pondo os pingos nos is, as coisas ficam muito mais claras pra eles e, aos poucos, eles aprendem... Ponto pra vc. Bjsss

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário aqui‼